Tricentenário da Batalha de Dynekilen

Avante, Toda Força!

Na segunda postagem da série "Batalhas Navais", Diário de Bordo destaca os trezentos anos da Batalha de Dynekilen, episódio praticamente desconhecido pelo leitor brasileiro, mas que ajudou a selar definitivamente o destino de um grande império europeu.


A Batalha de Dynekilen, 1716. Óleo sobre tela do pintor dinamarquês Arup Jensen (1906-1956)

A Grande Guerra do Norte

Travada em 8 de julho de 1716, a Batalha de Dynekilen insere-se na fase final da Grande Guerra do Norte.

Deflagrado no ano de 1700, o longo conflito se arrastou até 1721, envolvendo uma coligação de estados formada especialmente pelo Império Russo, o Reino da Dinamarca e Noruega e a Saxônia-Polônia, contra o Império Sueco.

Diversos interesses motivaram a construção da aliança anti-sueca. O Reino da Dinamarca-Noruega pretendia recuperar territórios perdidos para os suecos no século XVII, a Saxônia-Polônia colimava derrubar a influência da Suécia na região e o Império Russo nutria pretensões territoriais na margem sul do Báltico.

O Reino da Dinamarca-Noruega era governado por Frederico IV. A Saxônia-Polônia por Augusto II, o Forte. O Império Russo, principal força da coalizão, vivia sob o reinado do czar Pedro I, o Grande. Ao eclodir a guerra, ocupava o trono sueco o jovem rei Carlos XII, então com tenros dezoito anos de idade. Tirando proveito da inexperiência do monarca, a coalizão atacou em 1700 o protetorado sueco de Holstein-Gottorp (território dividido atualmente entre Dinamarca e Alemanha), bem como, as possessões da Livônia (dividida hoje entre Estônia e Letônia) e da Ingria (território hoje russo), ações que deram início à Grande Guerra do Norte.



Pedro I, o Grande, czar da Rússia e Carlos XII, rei da Suécia.



Embora a Grande Guerra do Norte não constitua o tema central da presente postagem, um rápido registro sobre suas principais fases contribui significativamente para uma melhor compreensão do contexto histórico da Batalha Naval de Dynekilen e sua importância para o desfecho do conflito.

Apesar das ofensivas da coalizão, em 30 de novembro de 1700, na Batalha de Narva, travada no extremo oriente da Estônia, o exército sueco sob o comando de Carlos XII impôs uma dura derrota a forças russas quatro vezes mais numerosas, comandadas por Pedro, o Grande. A vitória de Narva marcou o auge do poderio sueco no continente.

Depois de derrotar a Saxônia-Polônia e destronar Augusto II, o rei sueco tentou pôr fim à guerra, invadindo a Rússia em 1708. Todavia, em 8 de julho de 1709, na Batalha de Poltava, na Ucrânia, 19.000 suecos atacaram o campo entrincheirado do czar, defendido por 45.000 soldados russos. A vitória russa foi esmagadora e forçou Carlos XII a buscar refúgio no Império Otomano, com apenas 1.500 soldados remanescentes.

Carlos XII retornou do Império Otomano somente em 1714, diante de uma situação crítica. No ano seguinte, a aliança anti-sueca se reforçara, com o ingresso dos estados de Hanôver e Prússia. Envolvido numa guerra sem aliados contra grande parte do norte da Europa e com o grosso de seu exército aniquilado, o rei da Suécia iniciou então, em fevereiro de 1716, duas campanhas na Noruega, visando forçar a assinatura de um tratado de paz em separado com o Reino da Dinamarca e Noruega.

Nesse momento do conflito teve lugar a Batalha de Dynekilen.



Prospecto da Batalha de Dynekilen, segundo desenho de N. Stibolt. O original encontra-se na Biblioteca Real de Copenhague, Dinamarca.


Um ousado ataque

Em 8 de julho de 1716, uma frota de transporte sueca composta por 44 navios e comandada pelo oficial naval Olof Strömstierna encontrava-se no fiorde de Dynekilen, ao norte de Strömstad, na costa oeste da Suécia. Os fiordes são grandes entradas de mar entre altas montanhas rochosas, provocadas pela erosão das montanhas pela ação do gelo, presentes especialmente nas paisagens dos países nórdicos.

Na ocasião, a frota sueca transportava tropas, munições e suprimentos de Gotemburgo, destinadas às forças de terra de invasão da Noruega lideradas por Carlos XII.

Quando os navios suecos ainda se achavam no porto de Dynekilen, uma flotilha dinamarquesa-norueguesa de 7 navios comandadas pelo vice-almirante Peter Tordenskjold apareceu de surpresa, atacando e destruindo um forte situado numa pequena ilha na entrada do porto, armado com seis canhões de doze libras.

A maior embarcação sueca, o 'Stenbock', um antigo navio de linha transformado em barcaça canhão não resistiu às investidas e acabou por se render. Daí em diante, as embarcações mais leves foram caindo em poder do inimigo e para que outras não tivessem o mesmo destino, os próprios suecos as encalharam e destruíram. A flotilha dinamarquesa-norueguesa priorizou então em se colocar fora da linha de fogo e salvar o maior número possível de navios. Desse modo, Tordenskjold logrou capturar 30 embarcações, enquanto 14 outras galeras e navios de transportes foram destruídas pelos suecos a tempo.

Nas colinas circundantes, os suecos tinham instalado uma bateria de terra, cujo cerrado fogo dos mosquetes determinou a retirada da flotilha atacante, a qual levou consigo todos os navios suecos capturados, deixando para trás os que haviam sido destruídos. Nas 5 horas de duração da Batalha de Dynekilen, dinamarqueses e noruegueses tiveram um saldo de 19 mortos e 57 feridos. O número de mortos e feridos do lado sueco é desconhecido, registrando-se apenas 21 homens capturados.


'Tordenskjold e Dynekilen', óleo sobre tela de Carl Neumann (1833-1891), pintor de marinhas dinamarquês


O triunfo de Tordenskjold


A Batalha de Dynekilen representou o ponto mais alto da carreira do vice-almirante Peter Tordenskjold.

Uma breve comparação em números entre as forças em combate fornece uma razoável ideia da dimensão de seu feito.

Dispondo de somente 7 navios, dinamarqueses e noruegueses contavam com 931 homens, 97 canhões pesados, 38 canhões leves e 2 obuses. Os suecos, por sua vez, possuíam 44 navios, entre os quais, 13 de guerra, 1.284 homens, 40 canhões pesados, 72 canhões leves, além do apoio dos atiradores da bateria de terra. Exceção feita aos canhões pesados, a inferioridade dinamarquesa-norueguesa era evidente. Mesmo assim, sem perder um único navio, Tordenskjold provocou a perda de 30 embarcações inimigas, o que neste caso vem a comprovar a máxima de Alexandre, o Grande, segundo a qual "a sorte favorece os audazes".

Seguem abaixo os nomes dos navios da flotilha dinamarquesa-norueguesa que participaram da intrépida incursão ao porto de Dynekilen:

Hjælper 47 (barcaça)

Hvide Ørn 30 (fragata)

Vindhund 16 (fragata)

Charlotte Amalia 7 (galera)

Louisa 7 (galera)

Prinds Christian 7 (galera)

Desconhecido

Vice-Almirante Peter Tordenskjold, em retrato de Jacob Coning. Um dos maiores heróis navais da Dinamarca e da Noruega. Contava apenas 25 anos de idade quando comandou a flotilha dinamarquesa-norueguesa na Batalha de Dynekilen. Apesar da ascensão meteórica no posto, morreu aos 30 anos de idade, num duelo, em 1720, um ano antes do término da Grande Guerra do Norte.

Os navios perdidos pelos suecos foram registrados em relatório de autoria do próprio Tordenskjold:


Stenbock 24 (barcaça) - Rendido

Proserpina 5 (galera) - Capturada

Ulysses 5 (galera) - Capturada

Lucretia 12 (galera) - Capturada

Wreden 21 (galera) - Afundada e posteriormente recuperada pelos suecos

Achilles 5 (meia-galera) - Capturada

Pollux 5 (meia-galera) - Capturada

Hector 5 (meia-galera) - Destruída

Castor 5 (meia-galera) - Afundada e posteriormente recuperada pelos suecos

Biorn 4 (saveiro) - Capturado

Svarte Maeren 4 (saveiro) - Capturado

Schelpaden 12 - Afundado e posteriormente recuperado pelos suecos

Navios de transporte - 5 capturados, 3 destruídos

Olof Strömstierna (1664-1730), oficial naval sueco que comandava a frota encarregada de proteger os navios de transporte destinados a Svinesund, durante a Grande Guerra do Norte. Apesar das elevadas perdas infligidas pela flotilha dinamarquesa-norueguesa na Batalha de Dynekilen, o rei Carlos XII reconheceu seus esforços no episódio, promovendo-o a Vice-Almirante.

Fim do Império Sueco e nascimento do Império Russo

Por conta da perda da frota de transporte em Dynekilen, Carlos XII teve de abandonar os planos de invasão da Noruega, concentrando suas tropas na Suécia, de sorte a criar uma barreira defensiva contra a aguardada invasão combinada de dinamarqueses e russos.

Ao mesmo tempo, o rei tentou barrar o acesso da Grã-Bretanha ao mar Báltico, negociando para tanto com líderes jacobitas, que planejavam reconduzir os descendentes da Casa de Stuart para o trono de Inglaterra, após a deposição de Jaime II pelo Parlamento, durante a Revolução Gloriosa. A estratégia, entretanto, precipitou a declaração de guerra da Grã-Bretanha à Suécia, em 1717.

Em 30 de novembro de 1718, durante o cerco sueco ao forte de Fredriksten, atual Halden, na Noruega, Carlos XII inspecionava trincheiras quando foi atingido por um projétil na cabeça, morrendo no local. Sucedeu-o no trono sua irmã Ulrika Eleonora, que abdicou dois anos depois em favor de seu marido, Frederico I da Suécia, em cujo reinado foi assinado o último tratado de paz da Grande Guerra do Norte, o Tratado de Nystad, de 10 de setembro de 1721.

Firmando a paz entre suecos e russos, o Tratado de Nystad marcou o fim da Grande Guerra do Norte, a extinção do Império Sueco e o nascimento do Império Russo, que sob o governo de Pedro I, o Grande, consolidou sua supremacia em todo o leste europeu.




Fontes:

https://en.wikipedia.org/wiki/Great_Northern_War

https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Dynekilen

#BatalhasNavais

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Nenhum tag.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Avenida Governador Fernando Costa, 343, CEP: 11030-181, Ponta da Praia, Santos, SP.

Horário de funcionamento: Quarta à Segunda, das 9h às 18h. 

Todos os dias durante o período de férias.

Telefone: +55 013 3261 4808

museumaritimo@museumaritimo.com.br