Knock Nevis, o gigante do mar

Quais os maiores navios já construídos pelo homem?

Muitas pessoas pensam imediatamente no célebre ‘Titanic’ e nos grandes cruzeiros da atualidade.

No topo da lista, porém, estão os cargueiros e os petroleiros, enormes embarcações projetadas para atender à sempre crescente demanda mundial por bens de consumo e energia, a maioria desconhecida do grande público.

Por este motivo, Diário de Bordo inaugura o tópico “Gigantes dos Mares, apresentando em sua primeira postagem o superpetroleiro ‘Knock Nevis’, que encabeça o ranking dos maiores navios da História.

O superpetroleiro 'Jahre Viking', posteriormente batizado 'Knock Nevis', o maior navio em comprimento de todos os tempos

Um gigante de muitos nomes

Encomendado em 1974, o ‘Seawise Giant’ (‘Gigante do Mar’, o primeiro nome do ‘Knock Nevis’) foi construído pela Sumitomo Heavy Industries Ltda, em seu estaleiro Oppama, em Yokosuka, Kanagawa, Japão.

Entregue em 1979, o navio permaneceu sem nome por um longo tempo, identificado apenas pelo número de seu casco: 1016.

Durante os testes no mar, o ‘1016’ apresentou vibrações massivas quando navegava à popa, ou seja, à ré. O problema resultou na recusa do proprietário grego em recebê-lo e o navio foi objeto de um demorado litígio.

Após o processo, o construtor exerceu seu direito de venda e, batizando-o ‘Oppama’, negociou um acordo com a Orient Overseas Container Line, de Hong Kong, no qual ficou acertado o acréscimo de vários metros no comprimento da embarcação e a adição de 146.152 toneladas métricas de capacidade de carga. Dois anos depois foi relançado como ‘Seawise Giant’.


Foto promocional do ‘Seawise giant’, mais tarde, ‘Knock Nevis’, tirada por volta de 1980, quando contava apenas poucos meses em serviço



Concluída a remontagem, o navio apresentava 458,46 metros de comprimento (4 campos de futebol) e 68,8 de boca (largura), o correspondente a um edifício de 23 andares. O calado (casco submerso) de 29, 8 metros equivalia a um prédio de 8 andares e o impedia de navegar pelos canais da Mancha, Suez e Panamá. Carregado, pesava 564.763 toneladas (mais de 5 vezes o peso de um porta-aviões classe Nimitz), deslocando 657.019 toneladas. Possuía 46 tanques, capazes de armazenar 674 297 m³ ou 4 240 865 barris de petróleo, ou seja, mais de 18 mil caminhões tanque. No convés de 31.541 metros quadrados, a tripulação (cerca de 40 homens) costumava andar de bicicleta para ganhar tempo. O leme pesava 230 toneladas e a hélice 50 toneladas.

Em virtude de sua enorme dimensão, poucos portos no mundo podiam receber o ‘Gigante do Mar’. Geralmente, o superpetroleiro não atracava e descarregava o petróleo em navios menores, em alto-mar.




O ‘Jahre Viking’ (‘Knock Nevis’) comparado com outras embarcações



A rota inicial do ‘Seawise Giant’ ligava o Oriente Médio aos Estados Unidos, porém, desde 1986 foi empregado pelo Irã como armazém flutuante e transporte de cargas durante a guerra contra o Iraque (1980 a 1988). Em 14 de maio de 1988, o superpetroleiro estava ancorado fora da ilha Larak, no Estreito de Ormuz, carregando óleo bruto iraniano, quando sofreu um bombardeio de caças da Força Aérea Iraquiana. Um incêndio sem controle alastrou-se rapidamente a bordo, danificando seriamente o navio nas águas rasas da costa da ilha de Larak.


O ‘Seawise Giant’, futuro ‘Knock Nevis’, durante reparos no estaleiro Hitachi, em Cingapura, em 27 de dezembro de 1990, após ser atingido por um míssil Exocet iraquiano, na guerra Irã-Iraque



Em fins de 1989, a companhia norueguesa KS-Company, controlada pela Norman International, comprou o ‘Seawise Giant’, declarado totalmente perdido após a Guerra Irã-Iraque. Rebocado do Golfo Pérsico e reparado nos estaleiros da Keppel Company, em Cingapura, recebeu um novo nome, ‘Happy Giant’, entrando em serviço em outubro de 1991.

Ainda em 1991, Jørgen Jahre (1907-1998), um armador norueguês, comprou o petroleiro por US$ 39 milhões, renomeando-o ‘Jahre Viking’, nome pelo qual se tornou mundialmente famoso. De 1991 a 2004, pertenceu à Loki Stream AS, navegando com bandeira norueguesa.

Em 2004, o ‘Jahre Viking’ foi adquirido pela companhia norueguesa First Olsen Tankers Pte. Ltd., rebatizado ‘Knock Nevis’ e convertido em um petroleiro de armazenamento, permanentemente ancorado no campo petrolífero de Al Shaheen, na costa nordeste do Catar, no Golfo Pérsico.


O ‘Knock Nevis’ deixando a doca de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos



Em 2009, uma empresa de desmontagem de navios indiana comprou o ‘Knock Nevis’, que passou a chamar-se ‘Mont’, seu último nome. Navegando com bandeira de Serra Leoa, em dezembro daquele ano partiu para a Índia, sua viagem final. Em Alang, o maior centro mundial de sucateamento de navios, o ‘Mont’ foi encalhado numa praia para demolição e aproveitamento do aço como sucata.

No início de janeiro de 2010, o maior navio do mundo começou a ser desmontado, em uma operação que durou cerca de 1 ano, em função de seu porte gigantesco e das técnicas rudimentares utilizadas pelos sucateiros indianos. A âncora foi preservada e enviada para o Museu Marítimo de Hong Kong (Hong Kong Maritime Museum).



Âncora de 36 toneladas do ‘Knock Nevis’, em exposição no Museu Marítimo de Hong Kong



Tamanho recorde

O ‘Knock Nevis’ é considerado o navio mais longo já construído.

Com seus 458,46 metros de comprimento, o superpetroleiro superava a altura de muitos dos edifícios mais altos do mundo. Embora um pouco menor do que o Taipei 101, de 509 metros, era maior do que o Petronas Twin Towers, de 451,90 metros.

Apesar de seu tamanho colossal, o ‘Knock Nevis’ não batia o recorde de maior tonelagem bruta. Com 260,941 de arqueação (GT), ocupava a quinta posição, atrás dos quatro superpetroleiros franceses da classe ‘Batillus’, os quais possuíam de 274,838 a 275,276 GT.

Entretanto, com 564.763 toneladas, o ‘Knock Nevis’ mantém o primeiro lugar em porte, ou seja, a soma de todos os pesos variáveis que um navio é capaz de embarcar em segurança: combustível, água, mantimentos, consumíveis, tripulantes, passageiros, bagagens e carga.

Em suma, os navios da classe ‘Batillus’ e o gigante ‘Knock Nevis’ foram os maiores objetos autopropulsionados concebidos pelo homem.

O ‘Knock Nevis’ foi destaque na série da BBC ‘Jeremy Clarkson's Extreme Machines’, enquanto navegava como ‘Jahre Viking’. De acordo com seu capitão, S.K. Mohan, em bom tempo, poderia alcançar até 16,5 nós (30.6 km/h). Nesta velocidade, precisava de 9 km (o equivalente a 5 milhas náuticas) para parar. O gigantesco navio só conseguia fazer curvas em um raio de 3 km.

Diante de números tão extraordinários, muitos devem se perguntar quais são os limites da engenharia naval.

O superpetroleiro ‘Knock Nevis’ comparado com alguns dos maiores edifícios do mundo

Fontes:

https://en.wikipedia.org/wiki/Seawise_Giant

https://pt.wikipedia.org/wiki/Knock_Nevis

#GigantesdosMares

Featured Posts
Recent Posts